sábado, 1 de dezembro de 2012

Violação de direitos autorais

Em Agosto postei aqui o poster do Campeonato Brasileiro de Jiu-Jitsu Interclubes que veio a ser realizado pela LBJJ no mês seguinte. Na arte, uma foto que realizei de dois atletas conhecidos daqui de Belo Horizonte, sendo um deles meu amigo pessoal.

Aparentemente, a arte agradou tanto que na última quinta-feira uma organização de Brasília resolveu copiar. Mas não se trata de um caso de plágio. O pôster foi inteiramente copiado, alterando apenas as informações do evento. Não que eu esteja impressionado com isso. Não é a primeira vez que passo por uma situação como essa e provavelmente não será a útima.

Não bastasse a violação de direito autoral da entidade (LBJJ) e meu, como autor da fotografia, violaram também o direito de imagem de ambos atletas que não foram consultados e não autorizaram o uso.

Abaixo, à equerda, o poster original e à direita, a copia safada:

 

É assim que as entidades brasilienses atuam?

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

BBC Brasil: Imagens revelam os prazeres do verão

Nesse domingo, descobri por acaso que uma foto minha havia sido selecionada para uma das galerias do site da BBC Brasil, que ilustra o verão.

Veja a galeria completa.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Moira in the woods II

Uma nova versão da montagem "Moira in the woods", a pedido da modelo.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Jaraguá em Foco

No mês passado foi a minha estréia como fotógrafo do jornal Jaraguá em Foco - o qual já trabalhava como diagramador desde o semestre passado - e que já está entrando em seu quinto ano. Como pauta, tive que ilustrar as matérias relacionadas aos projetos das escolas da região, que incentivam as crianças à leitura.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Nocaute

Foto feita durante cobertura do 23º Campeonato Brasileiro de Jiu-Jitsu, realizado no último fim-de-semana, em Betim, publicada no blog Nocaute, do site Superesportes.

Clique na imagem para acessar a publicação.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Projeto: Máscaras

Na quinta-feira passada (13), após realiazar mais um ensaio de nu, aproveitei para tirar o molde do rosto de uma das modelos, para a confecção de uma máscara que fará parte de um dos meus projetos. É... Modelo sofre...

domingo, 16 de setembro de 2012

Nu e Sensualidade #4


Foto realizada durante ensaio de quinta-feira (13).

Homens e mulheres de qualquer idade (acima de 18 anos) que tiverem interesse em participar dos meus projetos, podem entrar em contato para mais detalhes através do e-mail: cidcostaneto@gmail.com

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Shi

No último sábado (8) dei início ao que pretendo transformar em uma série de ensaios baseados na personagem das histórias em quadrinhos "Shi", uma jovem guerreira japonesa. Abaixo uma pequena amostra de como ficou a produção.

Foto e edição: Cid Costa Neto
Modelo: Sandra Franco
Cabelo e maquiagem: Indianara Araújo
Assistente: Priscila Salgado
Figurino: Flor de Fogo

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Nu e Sensualidade #3

Nesse domingo realizei o terceiro ensaio dessa nova série de nu e sensualidade que estou criando. Como disse na postagem anterior, tem sido tudo bastante experimental, explorando as limitações do estúdio, estudando bastante o comportamento da luz no ambiente e corpo. Dessa vez utilizei uma iluminação que pessoalmente uso pouco, mas que gosto muito e que proporciona sobra bem duras, mas querealça bem as formas do corpo quando incide latreralmente.


Estou aceitando modelos voluntarios, homens e mulheres de qualquer idade acima de 18 anos. Quem se interessar, pode entrar em contato para mais detalhes através do e-mail: cidcostaneto@gmail.com

domingo, 2 de setembro de 2012

Moira in the woods

Nesse sábado criei o esboço de uma colagem com uma foto da Natália Nunes, feita no meu estúdio duas semanas atrás, como parte do projeto intitulado "Moira". Ela concebeu toda a ideia e eu, de certa forma, acabei adotando o projeto e assumindo essa parceria na realização.

Foto original
Embora o conceito principal já estivesse de praticamente definido, estavamos ainda investigando a melhor solução estética. Ela entrou com a produção (roupa, acessórios e maquiagem) e - obviamente - como modelo, enquanto eu me concentrei a princípio na parte da iluminação.

A foto foi feita e em fundo branco (que resultou em cinza leve com a luz em 45º) e posteriormente recortada para encaixar no fundo (detalhe para o recorte do cabelo).

Após a conclusão do ensaio, percebi que tinhamos criado algo que, mesmo sem um cenário, tinha uma atmosfera meio mística. Resolvi então que seria legal fazer algumas colagens explorando isso.

Como fundo queria utilizar uma foto que também fosse de minha autoria, mas não encontrei nenhuma no meu banco que tivesse essa atmosfera e um angulo propício. Acabei usando então, uma foto retirada do DevianArt, feita pelo estudante holandês Jeroen C. (frozennightfall), intitulada "Fog in the woods" ("Neblina da floresta", em tradução livre do inglês).

O processo de edição foi simples: Após a sobreposição da foto da modelo, foi feita a equalização e desaturação das cores do fundo e então, a adição do efeito da neblina (feito manualmente).

sábado, 1 de setembro de 2012

Nu e Sensualidade #2

Nessa sexta feira recebi mais uma modelo para um ensaio de nu. Os trabalhos a principio, têm sido experimentais e mais pra frente pretendo desenvolver linhas mais concisas. Estou aceitando modelos voluntarios, homens e mulheres de qualquer idade acima de 18 anos. Quem se interessar, basta entrar em contato para mais detalhes: cidcostaneto@gmail.com 

Foto: Cid Costa Neto
Assistente: Natália Nunes

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Pôster do Campeonato Brasileiro de Jiu-Jitsu 2012

Já faz alguns anos que faço a cobertura oficial das competições realizadas pela Liga Brasileira de Jiu-Jitsu, mas é a primeira vez que tenho o prazer de ter uma foto minha estampada no pôster de um de seus eventos (normalmente as imagens são figuras vetorizadas). No caso, a 23a edição do Campeonato Brasileiro Interclubes de Jiu-Jitsu, que será realizado nos dias 21, 22 e 23 de setembro em Betim, MG.

A foto original foi realizada durante uma luta da categoria faixa-preta master peso leve da Copa do Mundo de Jiu-Jitsu, realizada pela LBJJ.


domingo, 26 de agosto de 2012

Nu e Sensualidade

Essa semana voltei a realizar ensaios de fotografia de nu e sensualidade. Algo que já fazia algum tempo que não fazia, embora seja um grande interesse meu na fotografia (se não for o principal). Pretendo retomar alguns projetos antigos que iniciei na faculdade e também iniciar pelo menos três outros novos que serão realizados no estúdio de forma paralela. Minha ideia é realizar pelo menos um ensaio por semana e estou aceitando modelos voluntarios, homens e mulheres de qualquer idade acima de 18 anos. Quem se interessar, basta entrar em contato para mais detalhes: cidcostaneto@gmail.com


sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Natália

Na última semana realizei no estúdio a execução de um projeto intitulado "Moira", cujo conceito foi elaborado pela Natália Nunes, que serviu também de modelo.

Natália Nunes no meu estúdio.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Testando a luz natural do estúdio

Não por acaso, quando resolvi construir um fundo infinito fixo aqui no estúdio, decidi fazê-lo ao lado de uma janela. A luz natural de uma janela é algo precioso para uma fotografia. Ela proporciona uma iluminação inconstante, com brilhos, cores e reflexos bastante variaveis entre os horários, dias e estações. Como a ideia era apenas avaliar essas nuances, peguei o objeto mais "bonitim" que vi pela frente e o resultado foi esse:

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Imprimindo apostilas

Desde que comecei a dar aulas de fotografia, um grande problema tem sido o preço da impressão das apostilas. Uma vez que os cursos são oferecidos por demanda, o volume de exemplares é sempre pequeno e isso encarece muito, principalmente por se tratar de copias coloridas. Mas não queria abrir mão da qualidade da impressão, portanto aceitava reduzir a margem de lucro em prol de uma boa apresentação.

Recentemente, no entanto, descobri que através do Issuu, site já conhecido por publicar periódicos digitais, era possível fazer impressão por um preço mais em conta. Consegui imprimir a mesma apostila, com o mesmo número de páginas por um valor inferior a 50% (mesmo pagando em Euro)do que pago no Brasil. Com o frete, o valor final para uma única impressão ficou 75% do valor que tenho destinado. Com o pedido de um volume maior, porém, essa diferença deve ser amortizada e espero economizar de 40% a 50%.

O exemplar levou menos de um mês para chegar diretamente de Amsterdã. Tempo suficiente, desde a oferta do curso até sua execução.

  

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Construindo um fundo infinito

No fim do mês passado, terminei de instalar um fundo infinito fixo no estúdio. Já fazia algum tempo que utilizava aqueles fundos de tecido TNT (vendidos em casas especializadas), porém, me incomodava muito os amassados e as irregularidades do tecido que [mesmo com todo o cuidado dedicado] ficam aparentes nas fotos e tinham que ser retocados no PS.

Resolvi utilizar o MDF como matéria prima, pois seria um custo razoável, não permanente - o que evitaria perder alguumas instalações elétricas - e também a economizaria na mão de obra, já que finalmente, 8 anos da minha juventude trabalhando numa marcenaria, finalmente iriam valer de alguma coisa.

Para fazer a curva, utilizei duas placas independentes, que apoiavam a tensão da curva em outras placas instaladas no começo (alto) e fim do fundo (chão) fazendo com que ela fizesse a curva naturalmente em 90º. Essa foi uma maneira que encontrei de evitar a construção de qualquer estrutura que acompanhasse a curva, mantendo apenas um calço para que não ficasse frágil ao pisar de algum modelo. As placas foram então fixadas com parafusos e posteriormente arrematadas com massa plástica.

Clique nas imagens para ampliar:

18,5 metros quadrados de MDF, 70 parafusos, uma bolha na mão, 5 litros de tinta, 1,2 Kg de massa plástica depois... estava pronto, lindo e branquinho. Infelizmente um detalhe passou desapercebido: o quoficiente de dilatação do MDF. As placas dilataram com o calor e encolheram com o frio, causando rachaduras ao longo do fundo. O problema ainda não foi solucionado.

PS: Agradecimento especial ao pedreiro que fez uma quina de parede totalmente torta, por proporcionar a realização de algo em pelo menos 3x mais lento e trabalhar minha paciência e persistência.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Mas o que é uma imagem de sucesso?

"Fly me to the moon" de Kai Hormann, uma imagem de sucesso?





















Produzir uma imagem de sucesso é o desejo de qualquer fotógrafo e eis que surge então o artigo "Dicas para se produzir uma imagem de sucesso" publicado no blog Fotocolagem por Fabi Araújo. Para elucidar alguns leitores, ela dá algumas dicas que poderiam contribuir para o desenvolvimento do processo fotográfico. Chega inclusive a citar a importância da referência iconográfica, mencionando inclusivo o fantástico  trabalho de Sylvie Blum, que admiro bastante, em especial a foto escolhida para ilustrar o artigo (uma modelo nua montada sobre um leão).

Considero que todas as questões apontadas são pertinentes, realmente fazem parte da construção fotográfica e devem ser levadas em consideração por quem quer ter um trabalho autêntico, original e que simbolize algo que vá além do registro análogo do real, limitado e sem qualquer expressão. Penso, no entanto, que nenhuma delas (as questões apontadas) determinam se a pessoa produzirá ou não uma imagem de sucesso, como sugerido no título do texto.

O sucesso de uma imagem está relacionado a diversos outros fatores. Antes mesmo de avaliarmos estes, é preciso determinar ainda, o que significa o sucesso de uma imagem, uma vez que se trata de um conceito bastante subjetivo e está diretamente ligado à intenção do autor em relação a seu projeto.

O que o fotógrafo entende como o sucesso de sua imagem não depende de qual é a sua intenção com aquilo? Seria o sucesso, o reflexo da fama? Ou ainda, de um fim lucrativo? Muitas imagens sem apelo estético ou técnica apurada, podem ser lucrativas e nada mais... podemos qualificá-las como imagens de sucesso? E se uma imagem for famosa, mas não render um único centavo? Provavelmente poderiamos dizer sim a ambas as perguntas se o autor esperava isso delas.

Mas há ainda aquelas belas e/ou impressionantes imagens que surgem do que chamamos de acidente fotográfico, sem qualquer expectativa de seu autor. Como por exemplo o caso da belíssima imagem de um Boeing 747 passando na frente da lua, realizada pelo fotógrafo alemão Kai Hormann. Seria o caso de uma foto de sucesso, uma vez que foi totalmente ao acaso? Já o fotógrafo carioca Antonio Lacerda, esperou meses para realizar a foto com o Cristo redentor "dentro" da lua. Sem dúvida ele poderia dizer que obteve sucesso, pois completou seu objetivo como planejado.

Em suma, penso que o sucesso de uma imagem não se define pelos processos que a levaram a ser criada. Cada autor pode ter sucesso a sua maneira, dentro de sua própria meta. Se um fotógrafo tem como objetivo transmitir uma determinada ideia, por exemplo e ele é bem sucedido naquilo, estará alcançando o sucesso que almeja, mesmo que outros considerem que seu trabalho não tenha valor estético e/ou financeiro. Ou ainda, mesmo que sua foto não alcance grande fama. Quantos anônimos não têm o poder de nos inspirar?

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Curso de Imagens Híbridas

No mês passado participei do Curso de Imagens Híbridas, realizado pelo Grupo Luz e ministrado por Leonardo e Kauê Luz. Como o próprio nome sugere, o curso apresenta técnicas para fundir imagens, seja para solucionar problemas de locação, criar imagens fantásticas ou qualquer outra necessidade.

Como exercício foi proposto um concurso entre os participantes, que deveriam criar uma montagem inspirada no trabalho da artista espanhola Elena Dudina, utilizando como referência uma imagem produzida pelo próprio Grupo. A partir da foto da bela modelo Mariana, que cada participante teve oportunidade de realizar durante o curso, deveriamos então reproduzir a imagem de referência com outros elementos que nos foram fornecidos.

Infelizmente não pude me dedicar como gostaria e acabei fazendo tudo no ultimo dia de prazo para entregar a imagem (ontem). Eis o resultado:


O processo:

Foram necessárias algumas boas horas para realizar todo o processo, principalmente por que estou trabalhando com o mouse, o que limita bastante o controle do cursor. Mas não há do que reclamar, editar imagens é sempre divertido.

Comecei fazendo os retoques no vestido da modelo, que estava com muitas marcas de dobra e reconstruí o que seria um bracelete, para que contornasse o braço da modelo e de forma que desse a impressão de ser de metal.

Um detalhe que talvez para muitos passe desapercebido, é que na foto original uma das perolas da abotoadura está faltando. Isso também foi corrigido.

Após essa etapa de retoque, inseri a imagem ao fundo (fornecido pelo curso) e fiz um recorte através de uma máscara, assim também foi feito com os outros elementos, as asas e o poste, que se tratava na verdade de uma miniatura em biscuit. Também foi enviada uma foto de um pequeno led, para ser utilizada na montagem.

O processo do poste foi provavelmente o mais complexo e na correria, acabou não ficando tão bom como gostaria. Foi preciso dar uma "desempenada" na estrutura e reconstruir a parte da luminária, de forma que desse uma impressão tridimensional, para então adicionar a luz.

Com todas as imagens devidamente recortadas, comecei a criar alguns efeitos de textura, no poste e também nas asas. Para finalizar, os efeitos de luz e sombra.

Veja a imagem de referência.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Confeitaria Mole Antonelliana

Essa semana realizei a fotografia de ambiente da Confeitaria Mole Antonelliana, para divulgação impressa no guia gastronômico da revista Veja Belo Horizonte. A diagramação da peça é assinada pela Violetc.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Edição: Hamburguer

Ainda no final de 2010 eu fotografei esse hamburguer duplo. Como a sua montagem era bem complexa e não tinha nenhuma produção, decidi fazer eu mesmo todo o processo de preparação, já com a expectativa da edição no Photoshop.

O sanduiche foi suspenso sobre uma placa de acrílico (recomendo que se use vidro) contra um fundo preto e fotografado com apenas uma fonte de luz lateral esquerda e um rebatedor a direita. A primeira etapa do processo de edição e bastante simples para quem tem alguma intimidade com as ferramentas do Photoshop. Consiste basicamente em remodelar o sanduiche, recortando e colando os pedaços ausentes.

Até então, minha edição tinha sido concluída nesse processo, mantendo o hamburguer apenas com o fundo preto. Após participar do Curso de Imagens Híbridas ministrado pelo Grupo Luz, no ultimo dia 14, resolvi arriscar a aplicação de um fundo na imagem para praticar algumas das técnicas ensinadas.


Veja o flipbook com os processos da edição.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

A gringologia na fotografia

Há algum tempo, quando comecei a fotografar, recém-nascido era recém-nascido. No máximo, "nenêm" ou bebê. Agora é "newborn". Nada contra o segmento, embora não faça parte dele, mas se existe, obviamente é resultado de sua importância social.

Muitos vão achar que é picuinha minha. Talvez tenham razão, mas esse e outros exemplos, servem para ilustrar o universo mercadológico no qual os cursos de fotografia estão se inserindo, onde as técnicas de venda (ou marketing, se preferir) parecem ocupar papel principal, transformando a oportunidade de aprendizado em nada mais que um produto a ser vendido. Em meios aos pacotes plus, mega, standart e etc... surgem os workshops (porque "oficina" é feio) de newborns e acredito, em breve, casamento será wedding, moda será fashion (se já não é) e por aí vai.

Não me entendam mal, não tenho nada contra a língua inglesa. Muito pelo contrário. Até entendo que em alguns termos ela deva ser mantida por questões de conceito, inclusive em alguns nomes comerciais. Mas qual o sentido de utilizar uma palavra estrangeira para denominar algo que já existe na nossa língua? Vai me desculpar, mas não trabalho com hair stylist ou make-up artist, mas sim cabeleireiro e maquiador, ambos com a mesma competência desses outros com "t" mudo no final. Já basta ter que engolir os designers, books e tantos outros termos que não ganharam tradução por aqui, agora querem ignorar os termos que possuem o mesmo significado?

Para os adeptos a esse "estilo", lhes digo: chick, não é escrever em outra língua, mas sim respeitar a sua. Ah! E sou fotógrafo, não photographer.

terça-feira, 3 de abril de 2012

Filtros close-up

Hoje, quando recebi a visita inesperada de uma modelo, resolvi finalmente testar o kit de filtros close-up que ganhei no meu aniversário. Para quem não conhece, os filtros close-up nada mais são do que lentes de aumento rosqueadas nas objetivas, proporcionado fotografar detalhes ou objetos bem pequenos.

Utilizei 3 filtros simultaneamente +2 +4 +10, uma vez que a modelo tinha apenas 1cm de comprimento. A grande dificuldade, no entanto, foi a direção do ensaio, já que ela não parava de pular pelo estúdio (literalmente) e o foco tinha que ser muito preciso, por causa da curta profundidade de campo. Outro detalhe que vale mencionar é o retorno da luz que o fundo branco proporciona. Quando fotografamos objetos maiores, ele é atenuado, porém, quanto menor o objeto, mais ele vai interferir. Abaixo uma das fotos feitas durante o teste e em seguida um crop do detalhe.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Primeiro contato com a fotografia

Como nessa quarta-feira celebra-se é o Dia Mundial da Infância, resolvi relembrar aqui o momento que pode ser considerado como sendo o meu primeiro contato com o equipamento fotográfico - ou ao menos o primeiro registro desse contato - ainda na infância.

O rapazinho a direita, de camisa azul, muito cabelo e semblante despreocupado, sou eu. Reparem no objeto muito familiar que seguro. Trata-se de uma tampa de lente fotográfica. Provavelmente a Olympus Trip 35 do meu pai, que obviamente, me serviu para outras funções naquele momento.

Na minha inocência de criança, nem poderia imaginar que aquilo representaria um dia, a ferramenta do meu ofício.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Fotógrafos não gostam de fotografias

Há pouco estava lendo no blog Fós Grafê, uma postagem intitulada "Fotógrafos não gostam de fotografias". A afirmação é do filósofo tcheco, naturalizado brasileiro, Vilém Flusser, autor do livro "Filosofia da Caixa Preta". Ainda não li o livro e por isso, qualquer observação aqui será superficial, baseada na postagem citada e nas minhas próprias experiências e observações.

Em um primeiro momento, essa frase pode parecer perturbadora a qualquer entusiasta da fotografia e rapidamente negada por alguns. Mas pensando com calma e avaliando melhor o que o autor quis dizer, é possível perceber que ela tem sentido e justifica-se em vários eventos que podem ser percebidos na prática.

Eliane Terraca, editora do blog (Fós Grafê) fez uma pequena enquete através do Facebook e, até o momento da postagem, 100% das pessoas disseram preferir sair para fotografar a ver as fotos prontas. A partir dessa informação, chegou a confirmação de que os fotógrafos querem sempre o melhoramento do seu equipamento, buscando tutorias, livros e outros materiais de aproveitar melhor o equipamento.
"Fotografias são realizações de algumas potencialidades inscritas no aparelho que fotografa, isto faz o fotógrafo querer sempre descobrir novas potencialidades, concentrando todo seu interesse no aparelho."
Essa teoria pode justificar o fato de muitos fotógrafos - principalmente os iniciantes - terem uma preocupação excessiva com a qualidade dos equipamentos.

Não é raro, quando um fotógrafo mostra uma foto a outro, ouvir a seguinte frase: "que foto linda, que equipamento você usou?"

Situação como essa  inclusive, me é clara na memória durante a palestra "A magia da luz", do fotógrafo Drausio Tuzzollo, que fez parte do congresso Nu Photo Conference, realizado no ano passado em São Paulo. Logo após o fotógrafo discursar e enfatizar a importância da iluminação perante outros conhecimentos técnicos, uma moça da plateia apressou-se em perguntar: "qual câmera você usa?"

Mas embora a grande maioria esteja realmente presa ao equipamento - até mesmo porque, sem ele, não existe fotografia - a teoria de Fussler não é uma verdade absoluta. E não tem pretenção de ser, uma vez que o livro se trata de diferentes "ensaios para futura filosofia da fotografia". Entendo que ela funciona como uma condição primaria ao fotógrafo. Ou seja, o fotógrafo inicia sua prática com esse vínculo muito próximo ao equipamento e deve ao longo se seu aprendizado, desprender-se disso.

É preciso entender que a necessidade (seja ela real ou criada) de investir tempo e dinheiro no equipamento, priva o fotógrafo de se dedicar a outras questões que podem ser mais relevantes em uma fotografia. O que eu quero dizer é que aquela pessoa que está sempre preocupada demais com a próxima foto, que dispara com presa o obturador, sem se preocupar em olhar com calma e avaliar os resultados de seu trabalho ou mesmo o trabalho de outros, treinando o olhar, o senso crítico e uma auto reflexão sobre o signo comunicativo do seu trabalho, está fadada a repetir sistematicamente as mesmas fotografias, erros e acertos, sem compreender os verdadeiros porquês disso.

Essa questão é descrita em parte por Ivan de Almeidana, no texto "Desenvolvimento (tratamento) e Interpretação da Imagem Fotográfica", postado no excelente blog Fotografia em Palavras. É possível perceber que uma grande maioria ignora essa apuração do olhar, a percepção da imagem ou sua forma de leitura, concentrando-se em seus equipamentos, deixando nas mão da sorte ou de uma pós-produção milagrosa, uma possível criação que se destaque. 

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Presentão!

Ontem fiquei mais velho e tive uma grande surpresa. Fui presenteado com um exemplar de uma Olympus Trip 35 em ótimo estado. Basta uma breve limpeza, abastecer com filme e está pronta para o uso.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Revista FVC #8

Esse mês um artigo publicado na Revista FVC, a partir de algumas idéias do fotógrafo e teórico alemão Günter Spitzing, sobre aspectos da fotografia que vão além da técnica. O texto na verdade faz parte de um artigo mais elaborado, que ainda não terminei de escrever, sobre a "identidade fotográfica".


Leia a publicação na integra.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Bibliografia fotográfica

Há poucos anos adquiri através de um sebo, o livro "Fotografia: universos e arrebaldes", que já havia lido anteriormente para a realização do meu trabalho de conclusão de curso, emprestado da biblioteca da faculdade. Publicado originalmente em 1983, o exemplar encontrava-se em perfeito estado de conservação e desembolsei apenas R$13,00.

Enquanto somos bombardeados por publicações recentes, principalmente através da internet, apontadas pelo marketing do mercado de ensino fotográfico – que tem crescido muito em pouco tempo devido ao “boom” de novos fotógrafos – nos esquecemos de pesquisar por algumas obras relevantes de alguns anos atrás que, apesar de frequentemente ignorados, são fontes de excelente material por um baixo custo.

É certo que no Brasil a bibliografia sobre fotografia ainda é pouca e antigamente menos ainda, mas algumas relíquias se escondem em alguns sebos, principalmente de origem lusitana, que são riquíssimos. Um bom exemplo são os livros do alemão Günter Spitzing, em especial o "Guia Prático de Fotografia" – que ganhei recentemente de Natal – publicado em 1990 em Lisboa. Apesar dos anos, continua sendo atual e cita aspectos relevantes à fotografia, que vão muito além das questões técnicas, mas aborta também a postura e maneira de olhar do fotógrafo.

Fica então a dica para quem está começando a estudar e é seduzido pelos livros que custam centenas de Reais nas maiores editoras. Muitas vezes é possível encontrar outros relevantes, sobre o mesmo assunto, esquecidos nas prateleiras de algum sebo.

domingo, 8 de janeiro de 2012

2º Concurso Livre de Fotografia

Nesse sábado foi divulgado o resultado do 2º Concurso Livre de Fotografia realizado na cidade mineira de Pouso Alegre, onde minha foto abaixo esteve em exposição no ultimo mês. Infelizmente não fui vencedor, mas acredito que todas as fotos premiadas foram merecedoras e isso me faz satisfeito em ter minha obra apenas selecionada para a mostra. 

"Giro urbano", Lisboa (2011) / Cid Costa Neto

As outras fotos selecionadas para exposição podem ser vistas através do grupo no Flickr.